Publicada em 22 de julho de 2012 - 11:02

Açudes da PB ainda apresentam baixo volume de água; Boqueirão só tem 28% de sua capacidade

A Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado (Aesa) informou que, dos 121 reservatórios de águas monitorados em toda […]

A Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado (Aesa) informou que, dos 121 reservatórios de águas monitorados em toda a Paraíba, oito estão sangrando e três estão em situação crítica, ou seja, com volume menor que 5% da sua capacidade. O último açude a sangrar foi o Chã dos Pereiras, em Ingá.

Os outros sete são em Araçagi (Araçagi), Conde (Gramame/Mamuaba), Cuitegi (Tauá), Juarez Távora (Brejinho), Mamanguape (Jangada), Mari (Olho D’Água) e em Sapé (São Salvador). Já os três em estado crítico estão localizados nos municípios de São José do Sabugi (São José IV), Teixeira (São Francisco II) e em Ouro Velho (Ouro Velho).

Ainda segundo a Aesa, mais um reservatório entrou em observação por apresentar volume menor que 20% da capacidade, o Novo II, no município de Tavares. Ao todo são 11 nesta situação. Os outros 98 reservatórios estão com capacidade armazenada superior a 20% do volume total.

Confirma a situação dos açudes monitorados pela AESA

08 Açudes Sangrando

Araçagi, em Araçagi Gramame/Mamuaba, no Conde Tauá, em Cuitegi Brejinho, em Juarez Távora Jangada, em Mamanguape Olho D’Água, em Mari São Salvador, em Sapé Chã dos Pereiras, em Ingá

11 Reservatórios em Observação (Menor que 20% do seu volume total) Bichinho, em Barra de São Miguel Carneiro, em Jericó Serrote, em Monteiro Saco, em Nova Olinda Caraibeiras, em Picuí Prata II, em Prata Chupadouro I, em São João do Rio do Peixe São Mamede, em São Mamede Bastiana, em Teixeira Sabonete, em Teixeira Novo II, em Tavares

03 Reservatórios em Situação Crítica (Menor que 5% do seu volume total

São José IV, em São José do Sabugi São Francisco II, em Teixeira Ouro Velho, em Ouro Velho

Cajazeiras

Em Cajazeiras, o açude de Boqueirão apresenta apenas um volume de 28,4% de sua capacidade que é de 255 milhões m³ de água. Mesmo assim, o DNOCS deverá liberar mais 18 milhões m³ para irrigar plantações no distrito de São Gonçalo. A grande preocupação é se caso não chover até o final do ano para o açude toma água poderá haver racionamento.
Redação CZN com Correio