Cajazeiras/PB segunda-feira , 27 de junho de 2022

Bosco Fernandes

Após 195 dias preso, ministro do STF concede liberdade ao prefeito de Uiraúna Bosco Fernandes

O prefeito de Uiraúna João Bosco Nonato Fernades, teve decisão a favor de sua liberdade na última sexta-feira (03), após […]

O prefeito de Uiraúna João Bosco Nonato Fernades, teve decisão a favor de sua liberdade na última sexta-feira (03), após passar 195 dias na prisão. Preso dia 21 de dezembro durante a Operação Pés de Barro, que investiga desvios de dinheiro na obra Adutora Capivara, Bosco Fernandes deve ganhar a liberdade após decisão do ministro Celso de Melo do STF, que determinou fiança no valor de R$ 522.500,00 tanto para ele como para o assessor parlamentar Israel Nunes.

Além do pagamento da fiança, o ministro impôs medidas cautelares a serem cumpridas pelo prefeito Bosco Fernandes como: proibição de seu ingresso tanto nas sedes da Prefeitura e de suas respectivas Secretarias, quanto em todos os locais em que se exerça qualquer atividade administrativa relacionada ao Município de Uiraúna/PB, seja no âmbito da administração pública direta, seja na esfera da administração pública indireta. E ainda de foi encaminhou ao eminente Senhor Presidente da Câmara de Vereadores do Município de Uiraúna/PB, dando-lhe ciência do afastamento cautelar de João Bosco Nonato Fernandes do mandato de Prefeito Municipal,

Ao decidir pelo pagamento da indenização de R$ 522 mil, o ministro ressaltou “a satisfatória condição econômico-financeira desses acusados, e de outro, a estimativa monetária do dano alegadamento causado à Administração Pública pelas ações criminosas a eles atribuídas”, disse.

Pés-de-Barro

A Operação Pés-de Barro investiga desvios de recursos públicos destinados à construção da Adutora Capivara, localizada no município paraibano. As investigações revelaram que, entre outubro de 2018 e novembro de 2019, a empresa responsável pelas obras,recebeu dos cofres públicos R$ 14,7 milhões e, em decorrência da ação criminosa, repassou R$ 1,2 milhão ao parlamentar Wilson Santiago e R$ 633 mil ao prefeito João Bosco Fernandes, como propina.