Cajazeiras/PB sábado , 27 de novembro de 2021

Caso Geffeson

Delegado da PB ouve policiais de Sergipe envolvidos no assassinato de Geffeson, diz que foi fatalidade e declaração revolta de familiares

Nesta quinta-feira, 8, um delegado e três policiais paraibanos chegaram a Sergipe para interrogar, mais uma vez, os três policiais […]

Nesta quinta-feira, 8, um delegado e três policiais paraibanos chegaram a Sergipe para interrogar, mais uma vez, os três policiais envolvidos no episódio ocorrido no município de Santa Luzia, Sertão da Paraíba, que culminou na morte do empresário e advogado Geffeson Moura, de 31 anos.

De acordo com o delegado Reinaldo Nóbrega, a necessidade de novo interrogatório se deu por conta do surgimento de fatos novos. “O inquérito policial está tramitando e de lá para cá alguns fatos novos surgiram, já chegaram alguns laudos novos dos exames periciais que foram requisitados à época do fato. Eles já haviam sido ouvidos no primeiro di logo após o fato, mas como surgiram fatos novos, a gente entendeu por bem reinquiri-los. A gente trabalha para concluir dentro dos 30 dias”, explicou a autoridade policial paraibana em entrevista à TV Atalaia.

Pela primeira vez desde o episódio, a Polícia Civil paraibana falou em fatalidade e enalteceu as qualidades profissionais dos policiais envolvidos.

“Infelizmente foi uma fatalidade, uma pessoa morreu. Não quero e nem posso fazer juízo de valor sobre o caso, mas o que posso dizer é que a partir dos depoimentos que foram colhidos hoje, muitas coisas foram esclarecidas. Realmente existia uma investigação que era realizada pela polícia sergipana em cima de um grupo criminoso e que já se prolongava por muito tempo. Os policiais que hoje estão aqui provisoriamente presos são policiais de alta idoneidade, da mais alta estima, não preciso ficar falando, a sociedade sergipana conhece melhor eles do que eu”, finalizou Reinaldo Nóbrega.

A declaração do delegado causou insatisfação da família do jovem morto.

Com informações Fanf1