Publicada em 21 de janeiro de 2019 - 17:37

Escândalo na Igreja: procurador pede esclarecimento sobre morte de testemunha

O procurador do trabalho Eduardo Varandas comentou a respeito da repercussão nacional que tomou o caso do inquérito contra a […]
procuradorO procurador do trabalho Eduardo Varandas comentou a respeito da repercussão nacional que tomou o caso do inquérito contra a Igreja Católica na Paraíba que pede R$ 12 milhões em indenização.

“Ficamos surpreendidos com o contato do Fantástico, não imaginava, o processo corre em segredo de justiça”, disse.

Varandas também cobrou explicação das autoridades policiais a respeito da morte da principal testemunha, um flanelinha que acusou padres de pagar para ter relações sexuais com ele.

“Como a sentença havia sido mandada para diversos órgãos, como a Unicef, atendemos às questões teóricas tratadas. A verdade é que houve uma carta denúncia, mas a investigação do Ministério Público não se ateve apenas a ela, ouvimos mais de dez testemunhas no Inquérito Civil e outras tantas a instrução processual. Quando concluímos o inquérito civil e chegamos à conclusão que houve exploração sexual no âmbito da igreja católica”.

De acordo com Varandas, o Ministério Público, ingressou com uma ação, o inquérito foi presidido sem nenhuma vinculação com os segmentos católicos ou partidários e durante a condução do inquérito uma testemunha foi assassinada. “Solicitamos explicação da Polícia Militar se havia alguma conclusão a respeito, mas nada nos foi encaminhado de forma definitiva e era nossa principal testemunha”, disse.

O procurador destacou ainda que a Justiça do trabalho acolheu o pleito parcialmente e a arquidiocese foi condenada. Durante a investigação foi solicitado auxílio à Polícia Federal e outros órgãos para poder de fato apurar a questão.

“O MP tem a consciência tranquila que cumpriu seu dever da forma mais reta possível respeitando a legalidade e direito de todos os envolvidos, inclusive da ré”, finalizou.
Paraíba.com.br