Publicada em 06 de agosto de 2019 - 13:33

Ney Suassuna vira réu na Lava Jato por propina de US$ 17,6 mi

A Justiça Federal no Paraná abriu ação penal na Operação Lava Jato contra o ex-senador Ney Suassuna (MDB), o ex-cônsul […]

neyA Justiça Federal no Paraná abriu ação penal na Operação Lava Jato contra o ex-senador Ney Suassuna (MDB), o ex-cônsul honorário da Grécia no Rio de Janeiro Konstantinos Kotronakis e outras oito pessoas. Segundo publicação do jornal Estado de São Paulo, o grupo é investigado pelo envolvimento em esquema de corrupção nos contratos de afretamento de navios celebrados pela Petrobras com armadores gregos.

A denúncia do Ministério Público Federal diz que esses contratos geraram pelo menos US$ 17,6 milhões em propinas e comissões ilícitas. Os valores teriam sido pagos por quatro armadores gregos (Athenian Sea Carriers, Tsakos Energy Navigation, Dorian (Hellas) e Aegean Shipping Management).

A Lava Jato também denunciou Dalmo Monteiro Silva (ex-gerente de Afretamentos da Petrobras), Georgios Kotronakis (filho de Konstantinos Kotronakis), Henry Hoyer (ex-assessor de Ney Suassuna), João Henrique Hoyer (filho de Henry Hoyer), Jorge Luz (colaborador), Bruno Luz (colaborador e filho de Jorge Luz), Fernando Bregolato (operador financeiro) e Paulo Arruda (operador financeiro).

A redação do Portal Correio não obteve declarações dos citados na denúncia.

 

 

Portal Correio