Cajazeiras/PB terça-feira , 21 de setembro de 2021

Questão de saúde pública

Sessão especial da Câmara Municipal discutirá a situação dos animais abandonados nas ruas de Cajazeiras

A sessão servirá para discutir formas de combater a reprodução desenfreada e buscar alternativas para abrigá-los

Quantidade de animais de rua cresce em Cajazeiras

Quantidade de animais de rua cresce na cidade de Cajazeiras

Preocupado com questões relacionadas à saúde pública, o vereador Jucinério Félix (PPS) propôs uma sessão especial na Câmara Municipal para discutir maneiras de reduzir o número de animais abandonados nas ruas da Cajazeiras e cuidar desses bichos. A sessão acontecerá nesta terça-feira (27).

O vereador afirmou que numa simples volta pela cidade, inclusive no Centro, é possível perceber a grande quantidade de cães sem donos perambulando pelas calçadas e no meio das ruas, boa parte deles aparentando ter alguma doença. Mas parece que a prefeitura não está se preocupando com a situação, já que ela não apresenta nenhum plano para resolvê-la.

A sessão servirá para discutir formas de combater a reprodução desenfreada desses animais e buscar alternativas para abrigá-los. Além disso, campanhas de vacinação e maneiras de ajudar financeiramente a APAC também estão na pauta.

A APAC (Associação de Proteção aos Animais de Cajazeiras) é a única entidade de apoio aos animais na cidade. Mas ela é autônoma e funciona de forma precária por falta de apoio. A associação sobrevive através das poucas doações da população e graças à boa vontade de alguns voluntários que se dispõem a reservar parte do seu tempo para ajudar nos trabalhos.

Na medida do possível, a APAC assume o compromisso de adotar alguns animais. Porém ela não tem condições de abrigar e cuidar de todos que se encontram abandonados nas ruas da cidade.

>> Problema nacional

A Organização Mundial da Saúde estima que só no Brasil existam mais de 30 milhões de animais abandonados, entre 10 milhões de gatos e 20 milhões de cães. Em cidades de grande porte, para cada cinco habitantes há um cachorro. Destes, 10% estão abandonados. No interior, em cidades menores, a situação não é muito diferente. Em muitos casos o número chega a 1/4 da população humana. O Brasil não tem leis efetivas para defender os animais, principalmente de maus-tratos, o que já existe em outros países.

 

DA REDAÇÃO